Património suado

Subida à Glória, um património suado

 Captura de Tela 2016-02-13 às 21.03.00
Fonte – Eco DosSports, AnoI, n39,1926, gentilmente cedida pelo Museu Nacional do Desporto

Em meados de Maio, acontece em Lisboa o Congresso Internacional da História do Ciclismo (ICHC 2013). No âmbito do programa desta Conferência vai realizar-se a corrida da Subida à Glória. Esta corrida foi uma “descoberta”, um achado que é descrito na obra de Gil Moreira e cujas imagens já, em parte, se encontram destruídas porque na Biblioteca Nacional os jornais desportivos do início do século XX estão a desfazer-se, não foram a tempo digitalizados e já não podem ser consultados. No Museu Nacional do Desporto, o espólio existente debate-se igualmente com problemas de conservação, preservação e até de comunicação porque está, literalmente, enclausurado no interior do Palácio Foz, ali mesmo junto à Glória. Perguntam, porque é que uma conferência de história leva para a rua uma corrida? Porque a história de Lisboa tem de ser partilhada por todos, porque o património não pode ser destruído e, para ser sentido, nada melhor do que ser com o corpo vivido, suado!

Cem anos depois das primeiras corridas da Subida à Glória, o desafio celebra no presente o legado histórico do passado! Data de 1910 o primeiro registo cronometrado mas é em 1913 que a disputa se avoluma e depressa se torna numa das mais célebres corridas de Lisboa, na qual em 1926 Alfredo Luís Piedade ganha a Glória de um recorde de 55 segundos nunca, até hoje, batido.

A Subida à Glória é uma subida que Tristão da Silva tornou fado cantado, no qual não há glória merecida sem sacrifício suado e, perante esta sina, cabe ao ciclismo enfrentar e vencer a rampa de 265 metros com declive médio superior a 17%. Mas não há corrida sem festa nem euforia e eis que tamanha alegria é também prometida na Subida à Glória do próximo dia 17. Um frenesim que pode ser escutado na canção dos Rádio Macau dedicada ao elevador que liga a Baixa ao Bairro Alto, uma alegoria às ilusões da vida motivadas por subidas rápidas sem canseiras nem fadigas.

Reviver de modo festivo a história da corrida é também uma forma de chamar a atenção para os problemas da cidade no presente. Ora, nas corridas há uma mise en scéne do esforço, da conquista do território, demonstrando que não há na cidade rampas que resistam à glória da bicicleta. Mas, no dia-a-dia, a bicicleta promete melhoria de vida sem tanta canseira e, por isso, as políticas públicas têm de promover formas de mobilidade combinada com os transportes públicos. Em rampas com esta, não basta ao elevador ser Monumento até porque servindo a cidade transforma e transforma-se perante as suas necessidades. Parado, o elevador assiste à corrida histórica, um evento no qual só os mais aptos correm. Mas a história do elevador é feita de movimento, tem de adaptar-se aos tempos e transportar bicicletas para, na rotina, nos levar a todos à Glória!

Figura convite da corrida de 2013 Subida à Glória. Design da autoria da Matilha Cycle Crew

Ana Santos

Anúncios